Skip to main content








leila responde

Ping-Pong com Leila Navarro – O que a Universidade não ensina e o mercado de trabalho exige?


Na ficção, formatura pode ser um chavão de happy-end, mas na vida real ela é apenas o começo de uma aventura emocionante e desafiadora: a trajetória no mercado de trabalho. Desafiadora principalmente porque a universidade não proporciona todo conhecimento e desenvolvimento de que precisamos para nos sair bem como profissionais. Então, nesta entrevista você terá informações importantes para dar um up na sua carreira.

1. Qual a importância da curiosidade na formação acadêmica, profissional e pessoal de um indivíduo?

R: A partir da curiosidade, a mente humana se expande, cria possibilidades, estabelece conexões entre os fatos. Mesmo sem ter noção usamos da curiosidade para aprender, por conta própria, a desenvolver nossa percepção pessoal sobre a realidade e contribuir para construção do conhecimento.

2. Qual a importância de alinhar o propósito de vida com a vida profissional?

R: A pessoa que está firme em seu propósito de vida pessoal tende a trabalhar com seriedade, empenho e interesse em sua evolução. Tem um forte senso de compromisso e é de gente compromissada que as organizações precisam hoje em dia. Seguir seu propósito não só tornará você um profissional mais satisfeito, mas também muito desejado pelo mercado de trabalho. Então, antes mesmo de escolher uma profissão é importante definir o que se quer da vida como um todo. Temos que nos concentrar não no que esperamos da vida, mas no que a vida espera de nós. Segundo John Kennedy devemos ter em mente o seguinte posicionamento: “Não pergunte o que o País pode fazer por você, mas sim o que você pode fazer por ele”.

3. Como reconhecer o seu real propósito de vida?

R: Questionando-se: “O que eu realmente gostaria de fazer? O que me apaixona? Se eu não precisasse me preocupar com a sobrevivência, o que escolheria para minha vida? Qual a minha missão de vida? Para que eu nasci? O que posso esperar de mim? O que as pessoas podem esperar de mim? Quais meus talentos? O que posso e o que devo fazer com eles? ” É por meio de perguntas como essas que podemos descobrir qual é o nosso propósito e se estamos seguindo no caminho que nos levará à realização dos nossos verdadeiros objetivos.

4. Como acompanhar o ritmo das mudanças que ocorrem no meio corporativo?

R: É preciso ter flexibilidade e adaptabilidade para fluir no mercado de trabalho. Com essas competências você pode aproveitar oportunidades que aparecem na carreira e não estavam nem em seus mais remotos sonhos. Para manter-se e evoluir é preciso entender que o que você espera pode não acontecer e o que você não espera pode se tornar realidade. Por isso autoconfiança vem antes de tudo, pois a confiança não caminha na mesma estrada do medo, pois enquanto o medo regride e paralisa, a confiança faz avançar e ousar.

5. O que é resiliência e como ela contribui para a realização pessoal e na carreira?

R: Resiliência é a capacidade que uma pessoa tem de prosseguir com seus objetivos, mesmo tendo de enfrentar crises, situações desestabilizadoras e problemas graves. A pessoa resiliente não só se ajusta à adversidade, mas se fortalece (acumula energia) e consegue prosseguir vivendo e se desenvolvendo. Muitas vezes, inclusive, descobre que possui forças e potenciais que sequer imaginava ter. Com essa habilidade, ela segue em frente com foco em seus objetivos e aproveita todas as circunstâncias como um aprendizado, uma forma de fortalecimento da sua personalidade, do seu caráter e das suas habilidades.

6. O que é assertividade e o qual a sua importância no mercado de trabalho?

R: A assertividade é a capacidade de dizer sim, quando deve dizer, sim e não, quando precisa dizer não. A pessoa assertiva defende suas opiniões com clareza e honestidade, sem receio do que vão pensar ou deixar de pensar dela. Essa é uma essa atitude fundamental no mundo corporativo, pois não se pode dizer amém para tudo, engolir sapos, deixar de expressar opiniões por receio de desagradar ou assumir as responsabilidades dos outros. Porém, isso deve ser feito de forma coerente, sem agressividade ou arrogância. No portal www.leilanavarro.com.br eu disponibilizo um teste gratuito e bem interessante sobre assertividade.

7. Há limites ou limitações para o aprendizado?

R: Falta de tempo para estudar e dificuldade de acesso à informação já não são desculpas para alguém deixar de continuar aprendendo. Hoje, pode-se fazer aproximadamente 400 cursos por e-learning, ensino à distância oferecido por escolas e universidades via conexão pela internet. São aulas de aperfeiçoamento, graduação, pós-graduação e até MBA que o profissional pode receber no computador de casa ou do escritório e realizar o estudo no tempo e local adequado à sua rotina. Então, não há desculpas que justifiquem a falta de investimento no conhecimento. Para aprender não há limites!

8. Uma das habilidades profissionais mais valorizadas no mundo corporativo é manter bons relacionamentos. É tão simples assim?

R: Relacionar-se bem é um assunto dos mais desafiadores para a maioria de nós. Boa parte dos problemas corporativos está ligada às dificuldades de relacionamento, que travam o fluxo de informações, comprometem a produtividade… Para se vacinar contra isso, você precisa investir na inteligência interpessoal e a primeira lição é começar a encarar os relacionamentos como oportunidades para o seu próprio desenvolvimento como ser humano.

9. Como a tecnologia tem interferido nos relacionamentos?

R: Hoje é comum encontrarmos pessoas mais próximas virtualmente que fisicamente, porém, a tecnologia tem encurtado distância, mas ao mesmo tempo afastado pessoas. O problema é as facilidades tecnológicas tem limitado pessoas a interação de pessoas a um punhado de caracteres numa tela. Todos aqueles aspectos subjetivos da comunicação não-verbal, como tom de voz, expressões corporais e faciais ficam de lado. Sempre que possível, prefira o contato pessoal, o olho no olho, o aperto de mão, pois a velha e boa conversa presencial ainda é a melhor maneira de criar entendimento entre os seres humanos.

10. A criatividade é um dom ou pode ser conquistada?

R: Qualquer pessoa pode desenvolver a criatividade desde que adote algumas atitudes e práticas. Quer começar? Então passe a observar mais a realidade à sua volta. Pessoas criativas geralmente são atentas, ligadas em detalhes, curiosas e questionadoras. São capazes de obter grande quantidade de informação a partir de qualquer coisa: de pessoas e objetos a cenários e situações. Essa é uma habilidade fundamental para a solução criativa de problemas, que requerem uma análise da questão sob todos os pontos de vista possíveis. Quanto mais informação você tem, maiores serão suas possibilidades de gerar ideias. Agora preste atenção porque o grande diferencial é a capacidade de inovação, o sair literalmente da “caixa” e partir para a prática e a realização do novo e para isso é preciso somar a tudo isso coragem, garra, ousadia e empreendedorismo .

Mais informações, clique aqui.

Comente também via Facebook!

Comentários

Um comentário em “Ping-Pong com Leila Navarro – O que a Universidade não ensina e o mercado de trabalho exige?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Spam protection by WP Captcha-Free