Skip to main content








O poder das escolhas e da autoconsciência

Pedro, meu filho caçula, teve a oportunidade de fazer intercâmbio no Canadá. Chegando lá, seus colegas perguntaram muitas coisas: você joga futebol? Sabe sambar? Toca berimbau ou algum instrumento de percussão? Surpreso com o tipo de curiosidade, ele percebeu que sabia muita coisa legal, mas nada que dissesse respeito especificamente à cultura brasileira. Por isso quero fazer desse post um “Post da Boa Notícia”, principalmente depois de uma semana turbulenta em que uma escola, que é considerada um templo sagrado da educação, teve sua rotina totalmente transformada com uma verdadeira tragédia em Realengo, no Rio de Janeiro.

Mas, nem tudo esta perdido. Tenho muito orgulho pelo trabalho que faço e por ter a oportunidade de conhecer o que está sendo feito na educação em relação a valorização da cultura brasileira – a formação de “seres humanos integrais”, a inclusão e uma educação que privilegia o meio ambiente. Frequentemente meu trabalho é requisitado por prefeituras para encontros de capacitação com educadores. Daí a oportunidade de conhecer a realidade in loco. Nos últimos dois anos, estive em quinze centros educacionais diferentes no Brasil. O último foi em março, em Tarumã, um município novo, de 18 anos, com cerca de 13 mil habitantes.

Em todas as cidades que passei, os professores têm a mesma exigência das melhores escolas privadas de suas regiões. Em muitas, todos os professores da rede são pedagogos. As prefeituras, em sua maioria, disponibilizam notebooks ou netbooks para cada professor e muitas usam sistemas especiais de ensino, como o Sistema Positivo, o que vem igualando o ensino público à iniciativa privada – é a inclusão pela educação.
Tenho informações suficientes para destacar diferenciais de cada instituição de ensino que visitei, mas é preciso ser prática, então destacarei apenas alguns pontos da última cidade que estive.
Em Tarumã, uma vez por ano, a Secretaria da Educação leva seus 80 professores da rede de ensino para uma viagem de treinamento fora da cidade e, mais que isso, preferencialmente fora do estado. Uma vez por ano a Prefeitura faz uma pesquisa* com os moradores para levantar sugestões, necessidades e avaliar sobre cada secretaria. Nesta região, foi solicitada educação em período integral e o trabalho de capoeira que você acompanha no vídeo é resultado das oficinas que são desenvolvidas neste período adicional de ensino.

Além disso, outra coisa me surpreendeu e encantou em Tarumã. O prefeito de lá me contou que sua neta de 4 anos está no ensino fundamental da Prefeitura e, em um final de semana, estava toda a família reunida e a tia de 15 anos procurava instigar a pequena dizendo: “Pula! Pula! Vem, vem! Pula em mim, pula!”. Diante da insistência, a pequena olhou para a tia, colocou uma das mãos na cintura e estendeu a outra à sua frente como se estivesse pedindo stop e disse: “Pare, pense e aja”.

Com essa atitude, a menina garantiu boas gargalhadas. A questão é que ela está aprendendo a fazer escolhas e desenvolvendo a consciência sobre si mesma e sobre os outros. Isso é educar um “Ser Humano Integral”. Isso me chamou a atenção sobre o motivo pelo qual me convidam para dar palestra. Até aí tudo bem. Agora, levar o Professor Gasalla para falar de Gestão por Confiança para professores de ensino fundamental! Isso é ou não o verdadeiro diferencial?

Colabore com nosso post da boa noticia, faça seu comentário.

*Estas pesquisas são feitas no modelo de governança FIB, estes prefeitos são poderosos, hein!

Comente também via Facebook!

Comentários

7 comentários em “O poder das escolhas e da autoconsciência

  1. Querida Leila,

    Tenho 4 sobrinhos, sendo um dos menores uma criança de 7 anos. Ele estuda na primeira série fundamental de uma escola da rede pública na periferia de São Paulo.
    Comparando meu ontem, fico impressionado com a capacidade intelectual e com os métodos de ensino atuais. São simples e fascinantes! Há o cuidado das professoras, que interagem com minha irmã (mãe dele) e com nossa família inteira.

    Tenho certeza de que minha criança crescerá feliz, assim como cresceram e cresceriam ainda mais aqueles anjinhos de Realengo, que por uma fatalidade, hoje não mais nos mostram suas novas capacidades intelectuais, mas nos deixam exemplos lindos de vida, alegria e confiança em contruirmos juntos um mundo cada vez melhor e sem violências.

    Oxalá pudessem todas as crianças do nosso Brasil uma educação cada vez mais preocupada, planejada, cuidadosa. Uma educação “mãe”.

    Beijo no coração, poderosa!

  2. Essa nova filosofia do prefeito de Tarumã se fosse usada em todo o país (e se todos os prefeitos tivessem vontade política para implementar) daria novo formato a administração pública. Realizar o que o povo quer dentro de parâmetros plausíveis é uma ótima forma de admnistrar municípios, talvez algum dia seja feita por todos os políticos.

  3. Prezada Leila

    Queremos parabeniza-la pelo artigo “O poder das escolhas e da autoconfiança” e dizer que ficamos envaidecidos pela menção a nossa Rede de Ensino, porém queremos destacar que também fazem parte do nosso grupo de docentes e que participam de todas as atividades formadoras oferecidas, professoras que atuam na Educação de Jovens e Adultos e na Educação Infantil, sendo estas últimas importantíssimas no processo educacional e de formação do ser humano integral.

    Abraço

    Jovina Ruth D.r. Rodrigues
    Coordenadora Pedagógica
    E.M. José Ozório de Oliveira
    Tarumã-SP

  4. Educação é tudo, é base para formação de pessoal para a vida pessoal, profissional, e quanto mais os profissionais envolvidos forem motivados, amparados, reconhecimento, melhor é o retorno para todos.

  5. Educação é tudo mesmo. O problema é que na maioria das escolas brasileiras esta não é a realidade de Tarumã. Precisamos confiar muito de que o país vai mudar bastante, precisamos ter esperança na classe política.

  6. É bom sabermos que os profissionais da Educação estão preocupados em formar cidadão pensante, autoconfiantes e como diz o texto pessoas capazes de fazer escolhas e de pensarem em si e no outro.É isso que faz a diferença.
    Parabéns!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Spam protection by WP Captcha-Free